História & Estórias

Posts tagged ‘flores’

Celeste a mulher que fez do cravo o símbolo do 25 de Abril de 1974

Em 1974 Celeste Caeiro tinha 40 anos e vivia num quarto que alugara no Chiado, com a mãe e com a filha. Trabalhava na rua Braancamp, na limpeza do restaurante Franjinhas, que abrira um ano antes. O dia de inauguração fora precisamente o 25 de Abril de 1973. O gerente queria comemorar o primeiro aniversário do restaurante oferecendo cravos à clientela. Tinha comprado cravos vermelhos e tinha-os no restaurante, quando soube pela rádio que estava na rua uma revolução. Mandou embora toda a gente e acrescentou: “Levem as flores para casa, é escusado ficarem aqui a murchar”.
Celeste foi então de Metro até ao Rossio e aí recorda ter visto os “chaimites” e ter perguntado a um soldado o que era aquilo.
O soldado, que já lá estava desde muito cedo, pediu-lhe um cigarro e Celeste, que não fumava, só pôde oferecer-lhe um cravo. O soldado logo colocou o cravo no cano da espingarda. O gesto foi visto e imitado.
No caminho, a pé, para o Largo do Carmo, Celeste foi oferecendo cravos e os soldados foram colocando esses cravos em mais canos de mais espingardas.

Fonte: RTP

Anúncios

É REAL, É VERDADE!

Mesmo sem ser chamada,

Envolta em névoa de luz,

Linda, esbelta, enfeitada,

Ela sorridente chegou!

 

Seus raios me enlaçam,

Sua beleza me inebria,

Seus aromas me atordoam,

Sua cor me extasia!

 

Será quimera,

Ilusão, utopia

Verdade ou fantasia?

 

Se a criança sorrir,

E o amor a natureza colorir,

É real, é verdade,

A Primavera chegou em liberdade!

 

Nuvem de etiquetas