História & Estórias

Posts tagged ‘viver’

VOAR COM O CORAÇÃO

Lá ao longe, bem ao longe
Bem longe no horizonte
Na ponta do arco íris
Está a barca dos sonhos!

Embala-me suavemente,
Levito tranquilamente
Num sonho em que voava
E sobre as nuvens me elevava
Numa noite estrelada
Com ar límpido e frio!

Volito sobre lagos e rios,
Mares e recifes em harmonia
Areias brancas encantadas
E montanhas escarpadas
Com brancos, verdes em sintonia!

Com o coração a galope
E a imaginação ancorada
Acordo e vou à janela
Pelo raio de sol sou enlaçada
De luz e cor matizada!

Olho e volto a olhar
Bem longe p´ro horizonte.
A barca não consigo avistar
Será que estou a sonhar?!

Se é fruto da imaginação
Repito e voltarei a repetir
É tão bom poder fantasiar,
Ser capaz de voar com o coração
E pelo mundo poder viajar!

Fernand@maro

Anúncios

ESPERANÇA RENASCIDA

Ao navegar pelo imenso mar da Internet encontrei este ternurento texto, que me atiçou alguma inquietude, no sentido que retrata a vivência triste e solitária de muitos dos nossos idosos. Este relato, verdadeiro ou fictício, é a imagem fria e crua da sociedade atual, uma sociedade que abandona os suas pessoas mais sábias e atira-as para a solidão.

“Depois de muitos anos sozinho, mesmo sendo pai de dois filhos e avô de alguns netos, o velho homem cansado decidiu não mais viver.
Arrumou toda a casa como de costume, colocou sua melhor roupa, fez uma longa carta de despedida que cuidadosamente colocou perto das fotografias de seus filhos e netos, e saiu.
Chorando entrou no ônibus com destino ao antigo viaduto, o mesmo que muitas vezes foi o cenário dos momentos felizes que passou junto com sua já falecida esposa, local bonito que costumavam passear, seria o palco da despedida definitiva de sua vida triste e solitária.
Quando se preparava para saltar do viaduto, buscando de forma ilusória um fim da solidão e da saudade; eis que houve um miado sofrido de um ser verdadeiramente abandonado.
Fingiu o velho não ouvir, e ao tentar insistir com aquele covarde ato de desespero, o miado se fez mais agudo, parecia falar com ele, pedir socorro.
Então contrariado mexeu na lixeira, e lá estava à resposta do Criador, na forma de um gatinho, para a cura da sua dor. 
Em lágrimas e um tanto envergonhado viu que aquele pequeno lutava para viver, tentando escalar a lixeira, e ele um burro velho, como costumava pensar sobre si, pensando em morrer.
Agarrou o pequeno peludo, e fez o caminho de volta para casa, precisava alimentar aquela criaturinha.
Porém estava diferente, carregava além de um sorriso verdadeiro no velho rosto, uma vida a mais para cuidar, uma razão para continuar a viver, uma motivação para acordar todas as manhãs.
E nítida era a felicidade no ônibus de um velho homem que acabara de renascer pelas patas de um filho peludo.”

Autor desconhecido

É VIVER O MOMENTO!

Sorri,

Mesmo que a ocasião

Não seja de alegria!

Vive o instante,

Liberta o coração

E mostra o sentimento!

Abraça o momento

Age como o vento

E como brisa macia

Acaricia com alegria!

Escuta e deixa-te entrar

E permite-te tocar

Nos teus braços embalar

E em ti me enroscar

Se for vital recomeçar

Permite a ocasião

Do dia a dia renovar

E viver com o coração

É chegado o momento

De receber o saber

De quem é essencial

E quem nunca o irá ser

É viver o momento

Como se o último

Viesse a ser!

Fernand@maro

1_ziKTRNE3IQz7OOYGPhZ0jw

Nuvem de etiquetas