História & Estórias

Archive for the ‘Afeto’ Category

AH, QUE SAUDADES!

Ah, que saudade

Ah, esta contraproducente tristeza que chega de mansinho, sem avisar e sem hora marcada! Entra sem ser convidada, instala-se e teima em ficar.

Num piscar de olhos, sou tocada por uma melancolia repleta de lembranças, de alegrias, mas também de lágrimas, de silêncios, mas também de sons, de sabores e de aromas. Sinto o coração apertado e sinto-me envolvida pela poeira do tempo. Sou abraçada pelos raios do passado, o presente desvanece-se e sou projetada no tempo e no espaço.

Por vezes tenho saudade das pessoas queridas que já partiram. Outras vezes tenho vontade de recuar no tempo para determinado momento, ser transportada para um lugar ou para uma época.

Ah, que saudades do colo da minha mãe! Ah, que saudades dos ralhetes do meu pai!

Tenho saudades de uma alegre cavaqueira à volta da fogueira, do calor fraterno nas noites de inverno!

Sinto falta do amigo que partiu, saudade das suas risadas, da delicadeza das suas palavras, das suas brincadeiras, saudade da amizade que ficará na lembrança.

Ah, que saudades…

Viver é…

Viver é uma aventura, basta querer! É um dever, é um prazer, é um sobressalto, mas também um lazer!

Saber viver é uma arte! A felicidade não está em viver, mas em saber viver e o saber viver é ser capaz de se adequar às situações que a vida lhe dá.

Veja o copo meio cheio e não meio vazio!

Sentir…

Sentir…

Sinto a brisa aconchegante11742682_10200795605130090_5764559443698134989_n embalar-me nos seus braços de ternura

Sinto o meu pensamento voar para além do infinito

Sinto, penso, sonho

Sinto logo vivo!

HOJE É DIA!

OLYMPUS DIGITAL CAMERAALEGRIA: HOJE É DIA!

Hoje é dia de olhar para o céu,

Hoje é dia de levantar a cabeça,

Hoje é dia de enfrentar a vida como ela é,

Hoje é dia de perder o medo e seguir em frente,

Hoje é dia de ser alegre,

Hoje é dia de dizer a verdade para o coração,

Hoje é dia de dar risada com os amigos,

Hoje é dia de sonhar mais alto que as montanhas,

Hoje é dia de sentir o vento no rosto,

Hoje é dia de cantar a toa,

Hoje é dia de sorrir por nada e por tudo,

Hoje é dia de correr pela vida,

Hoje é dia de sermos nos mesmos sem medo… E mais que tudo isso

Hoje é mais um dia de vida,

A vida é bela,

A vida é vida é milagre,

A vida é simplesmente a Vida.

Todo dia é Hoje e todo dia é de algo!

Hoje é dia de…

Fonte: http://www.luso-poemas.net/modules/news/article.php?storyid=4806#ixzz3InsZ0LkN

OS MEUS DESEJOS!…

419655_316696888394108_1600534068_n

fogo_artificio“Tenho pensamentos que, se pudesse revelá-los e fazê-los viver, acrescentariam nova luminosidade às estrelas, nova beleza ao mundo e maior amor ao coração dos homens.”

Fernando Pessoa

FELIZ 2013

_Feliz 2013

“Gostaria de te desejar tantas coisas.
Mas nada seria suficiente.
Então, desejo apenas que você tenha muitos desejos.
Desejos grandes.
E que eles possam te mover a cada minuto, ao rumo da sua felicidade!”

Carlos Drummond de Andrade

A ORIGEM DA ÁRVORE DE NATAL EM PORTUGAL

imagesCAKW5HYRFoi D. Fernando II, marido da rainha D. Maria II, que, no séc. XIX, introduziu, em Portugal, a tradição da Árvore de Natal e das coroas do advento.

Até meados do século XIX, a tradição do Natal, em Portugal, tinha como centro a figura do Presépio.

Em 1836, a Rainha D. Maria II casou-se com D. Fernando II, o Rei-Artista. D. Fernando, além de se dedicar à pintura e à música, foi mecenas restaurando de vários monumentos, alguns em mau estado, como o Mosteiro da Batalha, o Convento de Mafra, o Convento da Ordem de Cristo, em Tomar, o Mosteiro dos Jerónimos, em Lisboa e patrocinou os estudos de vários portugueses em outros países, assim como falava e escrevia muito bem em português, algo difícil para a maioria dos alemães.

Do seu casamento com D. Maria II nasceram onze filhos, dois dos quais foram mais tarde reis, D. Pedro V e D. Luís I. Quatro morreram recém-nascidos e três (entre eles o rei D. Pedro V) morreram jovens, devido à febre tifóide.

D. Maria II  morreu no Palácio das Necessidades, a 15 de Novembro de 1853, em consequência de parto.

D. Fernando tinha passado a infância comemorando o Natal segundo a velha tradição germânica de decorar um pinheiro com velas, bolas e frutos. Por isso, quando começaram a nascer os seus filhos com D. Maria II D. Fernando decidiu animar o palácio com um Natal de tradições germânicas.

Segundo registos e gravuras do próprio rei, D. Fernando II, na Noite de Natal, vestia-se de S. Nicolau e distribuía presentes aos seus filhos numa festa genuinamente familiar.

1289814398m6bSFAMas a grande divulgação da Árvore de Natal deu-se no século XX, na década de 60, devido à revolução nos meios de informação e comunicação, como a televisão, altura em que, também, a figura do “Pai Natal” começou a “ganhar terreno” ao Menino Jesus – única verdadeira razão pela qual se celebra o Natal, pois Natal significa nascimento; neste caso, é a celebração do nascimento de Jesus Cristo.