História & Estórias

Archive for the ‘Desabafos’ Category

LER É UM PRAZER!

     É uma manhã de domingo de inverno! O dia acordou solarengo. Vou aproveitar o sol, recarregar baterias e acumular energia para vencer a semana que se pressupõe ser agitada e trabalhosa. Pego num livro e sento-me na janela que se debruça sobre a paisagem, procurando usufruir de um dos meus prazeres.
     Ler é um prazer, não só para quem cresceu entre livros e conquistou a cada página lida, o gosto pela leitura, como também para aqueles que buscaram aventuras e encontraram essas máquinas do tempo nas casas de amigos e vizinhos ou mesmo nas estantes da Biblioteca Itinerante Calouste Gulbenkian que, visitava de quinze em quinze dias as aldeias do interior. Eu fui uma dessas curiosas e aventureiras que descobriram que cada livro guarda dentro mundos desconhecidos e atraentes, tempos com lugares mágicos e fantásticos com pessoas monstruosas e admiráveis. Eu sou uma dessas que se apercebeu que cada livro abriga outras memórias, outras formas de ser e de estar, de sentir, de comunicar, de rir…, pelo que persiste no ato da leitura.
     Ler é um prazer, não uma obrigação!

Fernand@maro

Anúncios

O TEU OLHAR…

O teu olhar de amor
Brilhante como um farol
São olhos cheios de sol
Que enlaçam com ardor!
 
No teu olhar profundo
Viajo por todo o mundo
Onde há paz e harmonia
E todos vivem em alegria!
 
O teu intenso olhar
Espelha o verbo amar
Acalenta todo o meu ser
É ser, é ter e é viver!
 
Com o teu olhar sagaz
De tudo eu sou capaz!
 
Fernand@maro

O VERÃO DO MEU (DES)CONTENTAMENTO

Ainda estou p’ra perceber
O que está acontecer
Um frio de inverno
No calor de verão!
Por isso ando perdida
Quiçá um pouco confusa
Por não ter a satisfação
Do calor da estação!
Em vez do calor infernal
Julho com chuvas outonais
Agosto de cinzento anormal
A lembrar temporais invernais!
 
Se eu gosto do verão?
Então não gosto! 
Gosto do verão
Com sabor a mar
E na praia rir e saltar
Ao ar livre passear
Ouvir a natureza cantar!
Gosto no verão
Do por do sol avermelhado
Do amanhecer iluminado
Que nos abraça com fervor
 E nos beija com amor!
 
Quem me manda querer entender?
Porque o Homem e a Natureza
Dificilmente  estão em sintonia
Se este é o planeta que temos p’ra viver
Não devíamos conviver em harmonia?
 
Fernand@maro

ADORO SER AVÓ!

Desde que sou avó
Vivo momentos de magia,
Recordo os aromas da infância,
Vivencio momentos de alegria!
 
Pela sorte sou bafejada
Ao ser avó de duas princesas
Usufruo duma vida encantada
Amo-as com imensas certezas!
 
Sou criança como a minha neta!
A esperança foi renascida,
Com ela tem sido uma festa
E a idade foi esquecida!              
 
Amor d’ avó é açucarado de ternura
É dar felicidade com doçura
É um elo de amor incondicional,
Numa ditosa missão sem igual!

Fernand@maro

Qual a maior conquista de Abril?!…

De acordo com João André Costa, professor há 11 anos em Inglaterra, a maior conquista obtida com a revolução de Abril foi a EDUCAÇÃO.

Educar é crescer, crescer é viver e pós 25 de Abril crescemos como pessoas, crescemos como país.

No tempo do Estado Novo a educação no seu sentido mais lato, como modo continuado de desenvolvimento das capacidades físicas, intelectuais e morais do ser humano, era somente adquirido por um grupo reduzido de pessoas, uma vez que a escolaridade, além da 4ª classe, era um privilégio exclusivo para as pessoas com possibilidades económicas.

A revolução de Abril permitiu a todos os cidadãos o acesso à escolaridade. Ao longo deste 45 anos fizeram-se grandes progressos na educação, no ensino, na escola, mas também houve iguais retrocessos com insistentes ataques aos professores e à escola pública, com o crescente descrédito e desrespeito da classe docente cada vez mais envelhecida.

Mas não vamos desistir, pelo que  cito João André Costa: “Sem educação não há liberdade. Sem educação não há resistência. Sem educação não há Abril, só esquecimento e um povo embrutecido entre a praia, futebol e centros comerciais.

Por isso continuamos a lutar e a repetir, ano após ano, antes do 25 de Abril, durante o 25 de Abril e depois do 25 de Abril, viva a liberdade, 25 de Abril sempre!”

DA MINHA JANELA VEJO A MINHA RUA

Da minha janela vejo a minha rua. Chamo-me Íris e, tal como disse, da minha janela vejo a minha rua.

Sei que o meu nome advém da mitologia grega e significa “mensageira pela palavra” ou “arco-íris”. Íris era uma deusa mensageira dos outros deuses e revelava-se como um arco-íris colorido no céu, personificando a união entre o Céu e a Terra.

 Sem dúvida que o meu nome se adequa muito bem à minha pessoa, pois gosto muito de falar, de trocar ideias, mas mais de que tudo de escutar e de observar.

A minha rua chama-se a Rua dos Sorrisos e aqui toda a gente sorri. Muitas meninas da minha idade, quando acordam, vão ver televisão mas eu não, eu vou para a minha janela. Olho através da vidraça a apreciar todo o alvoroço que ocorre na minha rua.

            Acordo por volta das 8h com um meigo sorriso na boca. Vou para a casa de banho faço a minha higiene, lavo a minha suave cara, penteio os meus curtos cabelos e escovo os meus brancos dentes e vou para a janela.

Lá fora ainda não há grande algazarra. Sabem, a minha rua à tarde parece um circo, mas de manhã é uma rua normal. Tudo está calmo! Não se ouvem nem risos, nem carros, nem pessoas. Estão todos a dormir. De repente, a rua começa a acordar. Os candeeiros, que passaram toda a noite acordados, começam a “ desligar as luzes”, o relógio na torre da igreja começa a acordar toda a gente cantando e agradecendo a beleza da manhã.

As pessoas começam a surgir. Primeiro é a padeira que deixa o pão branco e fofo, que eu tanto gosto, em sacos pendurados nos ferrolhos das portas. Sempre que passa pela minha janela pergunta se eu não devia estar na escola mas eu, todos os dias respondo a mesma coisa:

– Senhora padeira, não há escola, estou de férias!

 Ela é muito esquecida! Mas não o devia ser… É baixinha e tem uma grande cabeça. Tem uma cara rosada e uns lindos olhos negros, mas o que mete graça é a “regueifa” a que ela chama nariz! E não é das pequenas!

Depois vem o carteiro. Ele é alto, magro e esverdeado. Mas eu gosto dele, pois traz a carta da reforma da minha avó! Pressinto que está a chegar pelo ladrar da minha cadela. Laica, é a minha cadela de raça Cocker Spaniel. Ela odeia a mota do Sr. Carteiro. Será que o barulho que ela faz perturba os seus sensíveis tímpanos? Eu sei que a audição dos cães é extremamente desenvolvida. Eles são capazes, de localizar com exatidão a direção da origem do som. Conseguem ouvir o mesmo som a uma distância quatro vezes maior do que um humano é capaz de ouvir.

De seguida chega a minha avó. Os meus pais saem muito cedo e eu fico sozinha. Mas eu não tenho medo, a Laica protege-me!

A minha avó chama-se Judite, mas eu trato-a por vovó Juju! Tomo o pequeno-almoço, vou ver um pouco de televisão e ajudo a minha avó a fazer o almoço. Hoje o almoço foi um regalo para os meus berlindes castanhos ou seja, para os meus olhos que são pequenos e brilhantes. Comi esparguete com almôndegas.

Depois voltei para a janela. Vi as meninas mais velhas que vão passear até ao parque que há junto ao rio, onde, por vezes, eu vou com a avó Juju no final da tarde. Elas dão-me um sorriso e eu retribuo-o com outro.

Depois vem o senhor Patolas. O nome assenta-lhe que nem uma luva. Tem uns pés de pato! Ele está a passear o Rio, aquele cachorrinho de olhos profundos e cabeça grande. Rio é um cão de raça Chow Chow, que a combina da nobreza de um leão, com a fofura de um panda e o encanto de um urso. Tem, ainda, a graça e a independência de um gato e a lealdade e devoção de um cão. 

Finalmente, chega a hora de ponta. A rua parece um circo de pessoas de raças diferentes! Ora passam, muito apressadas, as senhoras da convenção Maria, onde todas elas se chamam Maria, com os seus longos vestidos estilo séc. XIX, ora passa o presidente Amável, que é todo amabilidades, a dar beijinhos e abraços a toda a gente para ver se ganha as eleições.

Passam pessoas para o trabalho, passam pessoas para o autocarro, passam pessoas para o comboio, passam pessoas para passear e passam pessoas para os cafés. Passam pessoas para todo o lado, mas só eu, uma menina de 7 anos, com pouco de altura e muito de reguila, posso apreciar a beleza, não da pressa, mas sim das pessoas que todos os dias passam sem apreciarem a mais bela rua do mundo, que eu tenho a sorte de a admirar da minha janela – a Rua dos Sorrisos.

Fernand@maro

MEMÓRIAS DE INFÂNCIA – CHEIROS E SABORES DE NATAL

Porque há memórias, receitas, cheiros e sabores que aquecem a alma, que nos alimentam o espírito, hoje, 21 de dezembro, recordo com saudade os aromas e os sabores aconchegantes dos natais da minha meninice. Estes eram únicos, bem como toda a euforia e entusiasmo que irradiava desta quadra festiva!

Tudo começava com a recolha de pequeno e finos toros de madeira que iriam, depois de acesos, fazer ferver o azeite, numa sertã/frigideira de três pernas, que fritariam as tão deliciosas de bolas de natal, também conhecidas por filhós.

Eu segurava no alguidar, e com a força que parecia não ter, a minha mãe com a massa até ao cotovelo amassava e voltava a amassar, batia e socava a massa uma e outra vez. Quando esta se soltava bem das mãos estava pronta para levedar. Depois de polvilhada com farinha, era coberta com um pano branco e colocada junto da lareira para que crescesse bem e rapidamente.

Sentada num pequeno banco de madeira, com um pano branco nos joelhos, a minha mãe fazia bolinhas de massa que, depois de molhadas em azeite numa pequena tigela junto à lareira, tendia sobre o joelho fazendo a bola/a filhó e colocava-a no azeite. Eu gostava delas finas, quase transparentes! Eu, ao seu lado, com um garfo grande, virava, com cuidado e carinho, cada filhó. Depois de bem douradas e bem escorridas eram polvilhadas com açúcar e canela, guardas num tabuleiro ou num cesto e cobertas com uma toalha branca.

Adorava-as e adoro-as quentinhas, acabadas de fazer! Estas eram comidas não só na noite de consoada, no dia de Natal, mas também ao longo da semana até ao Ano Novo.

Para que a tradição natalícia fosse cumprida na noite de consoada comia-se o bacalhau cozido, o arroz de polvo e as migas /açorda de bacalhau e couve penca. Na sobremesa não podia faltar as filhós, o arroz doce e as rabanadas e salpicadas com canela.

Ainda, na noite de 24 de dezembro, enquanto alguns jovens andavam de porta em porta a cantar “As Boas Festas”, outros cavaqueavam e aqueciam-se junto do gigantesco cepo / madeiro que ardia no largo da igreja. Este era ateado no entardecer da véspera de Natal e ardia até ao Dia dos Reis. Nos dias anteriores os rapazes da aldeia iam roubar grandes troncos e raízes de árvores que depositavam no adro da igreja. Hoje pessoas de todas as idades continuam a juntar-se e a conviver em redor do cepo / da fogueira, aproveitando o lume do braseiro para assar e saborear frangos e febras de porco.

Ao deitar e antes da meia-noite, colocava o meu sapato na chaminé da lareira, na esperança que o Menino Jesus lá deixasse uma prendinha. Ele nunca deu com a minha casa, a prenda nunca apareceu mas, no dia de Natal, eu podia exibir-me e com vaidade com uma roupa nova.

Não posso esquecer e deixar de referir o presépio e a Árvore de Natal, que eram construídos juntos para que o pinheiro protegesse a gruta do Menino Jesus. Era também uma grande azáfama! Após cortarmos o pinheiro, arranjarmos o musgo, fazíamos a Árvore de Natal, enfeitando-a com bolinhas e fitas brilhantes. Por baixo montávamos o presépio com montes e vales, rebanhos e pastores e uma gruta que albergava o Menino Jesus, Nossa Senhora, S. José e o burrinho e vaquinha. Claro que não podia faltar a Estrela de Belém e os três Reis Magos!

Sou fã e colecionadora de presépios, tenho muitos (cerca de oitenta) e já fiz muitos, mas nunca consegui fazer um tão bonito como aqueles que recordo da minha infância!

Fernand@maro

Nuvem de etiquetas