História & Estórias

Posts tagged ‘cães’

ANIMAIS, UMA DÁDIVA

Cresci na companhia de cães, de gatos, de galinhas, de coelhos, de porcos e de outros animais, enfim rodeada de bicharada. Sou da aldeia, filha de pais agricultores, de um tempo em que era necessário produzir a maioria dos alimentos. Estes não abundavam, não havia onde os comprar e muitas vezes escasseava o dinheiro para os adquirir. Fazia-se, então, a criação de muitos animais que iriam ser o alimento da família ao longo do ano. Mais próximos do nosso convívio, havia os animais domésticos, que apesar de serem tratados com carinho, viviam somente no quintal da casa e morriam de velhice.

O Homem, desde os seus primórdios, teve uma estreita relação com mundo animal, ligada sobretudo à sua própria subsistência e sobrevivência. Esta é demonstrada nas pinturas e gravuras rupestres encontradas nas cavernas ou em campo aberto.

No Paleolítico, período inicial da Pré-História, o Homem  sobrevivia por meio da prática da caça e da recoleção. Para a captura de animais de grande porte, as comunidades de caçadores recoletores trabalhavam coletivamente na organização e montagem de armadilhas. Nesse sentido, desenvolveram técnicas de sobrevivência bastante complexas.

A domesticação dos animais começou a fazer parte da cultura do Homem quando, no Neolítico, este se tornou sedentário e passou a fixar-se em determinadas regiões do planeta. Isto permitiu a criação de animais, principalmente para a alimentação, transporte de pessoas ou cargas, ou para execução de variadíssimos trabalhos, entre eles os agrícolas.

IMG_20170915_145338_HDR

0 meu Eddie

Ao longo dos séculos estas relações intensificaram-se. Os animais domesticados ficaram mais próximos das pessoas, deixaram de servir apenas para ajudar em trabalhos,  e passaram a fazer parte do dia a dia das famílias, como animais de estimação / companhia.

Atualmente e mais do que nunca, os animais de companhia exercem um função de extrema importância, por vezes exagerada, ajudando a preencher lacunas que a sociedade criou.  Os animais de estimação não poderão nunca substituir a companhia humana! No entanto, há idosos que moram sozinhos e que para suavizar a ausência da família adotam animais de estimação para lhes fazerem companhia, tratando-os com todo carinho e atenção ou o caso de casais que tenham ou não filhos, optam por acolher um ou mais animais que por vezes tratam como “família”, oferecendo-lhes bem-estar e diversão.

Está provado que os animais de estimação trazem benefícios para as famílias, proporcionando boas e únicas experiências e novas aprendizagens. Podem garantir momentos de felicidade e de relaxamento, ajudar na socialização, no sentido de responsabilidade e inspirar a lealdade, o respeito e a partilha.

Infelizmente há também quem considere o animal um brinquedo que poderá ser descartável e deitado fora, quando já não se necessita ou quando se torna um peso que não estava previsto. É frequente haver situações desagradáveis e terríveis de animais que são negligenciados, maltratados e abandonados nas ruas ficando à mercê de violência gratuita e da malvadez das pessoas.

É também verdade que o animal de companhia por mais carinhoso e fofinho que seja nunca poderá substituir uma pessoa. Podemos tratar os animais com todo o carinho, mas não devemos esperar que eles se comportem como um seres humanos e preencham a lacuna deixada pela ausência de um ente querido.

Sim, devemos continuar a cuidar e a respeitar os nossos animais, mas sem descurar a preocupação, o carinho e o amor que devemos dedicar ao próximo, principalmente às pessoas de quem gostamos!

“A bondade em palavras cria confiança; a bondade em pensamento cria profundidade; a bondade em dádiva cria amor.” (Lao-Tsé)

                                                                                                Fernand@maro

Nuvem de etiquetas