História & Estórias

Archive for the ‘Sentimentos’ Category

MANCA QUE MANCA

Manca que manca
Desce a calçada
Não pelo passeio
Mas pela estrada!
Olha, a velha
Que tola está497ea874c5eeee782542618a8e5cd7d5--luis-do-do
Vacila aqui
Vacila acolá!
Olha, a velha
A velha descuidada
Por este andar
Vai ser atropelada!
Sou eu essa a pessoa
Que está desatinada
Devido às artroses
Tem dores atrozes
Daí na rua caminhar
E o passeio abandonar!
Uma coisa é certa
Que devido à inclinação
É mais fácil ao descer
A rua percorrer!
Posto isto, cheguei à conclusão
Que velha estou a ficar
Por preferir na rua transitar!

Fernand@maro

883697

TENHO O DEVER DE…


O dever devo cumprir
E ser um bom cidadão,
Tratar todos com respeito
Contribuir p´ra haver união!
 
Tenho o dever de me empenhar,
Agir com responsabilidade,
As regras devo  enlaçar
 E em tudo ter seriedade!
 
Na escola devo aprender
Lições de cidadania e educação,
Nas aulas devo estudar,
E no recreio brincar com retidão!
 
Ser íntegro é um ritual
Às aulas não devo faltar
Devo ser assíduo e pontual
P´lo que não me devo atrasar!
 
O material não devo estragar
Seja pessoal ou escolar
O ambiente sempre limpar
Para o planeta preservar!
 
Tenho o dever de sonhar
Sonhar com um mundo melhor
Onde um sonho é realidade
E recresce a felicidade!
 
Tenho o dever de cuidar,
A todos conseguir amar,
As crianças acarinhar,
E os idosos abraçar!
 
Saudar e dizer bom dia.
Agradecer com muito obrigado,
Facultar uma boa harmonia
Mostrar ser bem educado!
 
Praticar o amor e a amizade
Mostrar ter bom coração
Serei, então,  bom cidadão
E serei  pessoa de verdade
Pessoa exemplar na perfeição!

Fernand@maro


LER É UM PRAZER!

     É uma manhã de domingo de inverno! O dia acordou solarengo. Vou aproveitar o sol, recarregar baterias e acumular energia para vencer a semana que se pressupõe ser agitada e trabalhosa. Pego num livro e sento-me na janela que se debruça sobre a paisagem, procurando usufruir de um dos meus prazeres.
     Ler é um prazer, não só para quem cresceu entre livros e conquistou a cada página lida, o gosto pela leitura, como também para aqueles que buscaram aventuras e encontraram essas máquinas do tempo nas casas de amigos e vizinhos ou mesmo nas estantes da Biblioteca Itinerante Calouste Gulbenkian que, visitava de quinze em quinze dias as aldeias do interior. Eu fui uma dessas curiosas e aventureiras que descobriram que cada livro guarda dentro mundos desconhecidos e atraentes, tempos com lugares mágicos e fantásticos com pessoas monstruosas e admiráveis. Eu sou uma dessas que se apercebeu que cada livro abriga outras memórias, outras formas de ser e de estar, de sentir, de comunicar, de rir…, pelo que persiste no ato da leitura.
     Ler é um prazer, não uma obrigação!

Fernand@maro

VOAR COM O CORAÇÃO

Lá ao longe, bem ao longe
Bem longe no horizonte
Na ponta do arco íris
Está a barca dos sonhos!

Embala-me suavemente,
Levito tranquilamente
Num sonho em que voava
E sobre as nuvens me elevava
Numa noite estrelada
Com ar límpido e frio!

Volito sobre lagos e rios,
Mares e recifes em harmonia
Areias brancas encantadas
E montanhas escarpadas
Com brancos, verdes em sintonia!

Com o coração a galope
E a imaginação ancorada
Acordo e vou à janela
Pelo raio de sol sou enlaçada
De luz e cor matizada!

Olho e volto a olhar
Bem longe p´ro horizonte.
A barca não consigo avistar
Será que estou a sonhar?!

Se é fruto da imaginação
Repito e voltarei a repetir
É tão bom poder fantasiar,
Ser capaz de voar com o coração
E pelo mundo poder viajar!

Fernand@maro

O TEU OLHAR…

O teu olhar de amor
Brilhante como um farol
São olhos cheios de sol
Que enlaçam com ardor!
 
No teu olhar profundo
Viajo por todo o mundo
Onde há paz e harmonia
E todos vivem em alegria!
 
O teu intenso olhar
Espelha o verbo amar
Acalenta todo o meu ser
É ser, é ter e é viver!
 
Com o teu olhar sagaz
De tudo eu sou capaz!
 
Fernand@maro

O VERÃO DO MEU (DES)CONTENTAMENTO

Ainda estou p’ra perceber
O que está acontecer
Um frio de inverno
No calor de verão!
Por isso ando perdida
Quiçá um pouco confusa
Por não ter a satisfação
Do calor da estação!
Em vez do calor infernal
Julho com chuvas outonais
Agosto de cinzento anormal
A lembrar temporais invernais!
 
Se eu gosto do verão?
Então não gosto! 
Gosto do verão
Com sabor a mar
E na praia rir e saltar
Ao ar livre passear
Ouvir a natureza cantar!
Gosto no verão
Do por do sol avermelhado
Do amanhecer iluminado
Que nos abraça com fervor
 E nos beija com amor!
 
Quem me manda querer entender?
Porque o Homem e a Natureza
Dificilmente  estão em sintonia
Se este é o planeta que temos p’ra viver
Não devíamos conviver em harmonia?
 
Fernand@maro

ESPERANÇA RENASCIDA

Ao navegar pelo imenso mar da Internet encontrei este ternurento texto, que me atiçou alguma inquietude, no sentido que retrata a vivência triste e solitária de muitos dos nossos idosos. Este relato, verdadeiro ou fictício, é a imagem fria e crua da sociedade atual, uma sociedade que abandona os suas pessoas mais sábias e atira-as para a solidão.

“Depois de muitos anos sozinho, mesmo sendo pai de dois filhos e avô de alguns netos, o velho homem cansado decidiu não mais viver.
Arrumou toda a casa como de costume, colocou sua melhor roupa, fez uma longa carta de despedida que cuidadosamente colocou perto das fotografias de seus filhos e netos, e saiu.
Chorando entrou no ônibus com destino ao antigo viaduto, o mesmo que muitas vezes foi o cenário dos momentos felizes que passou junto com sua já falecida esposa, local bonito que costumavam passear, seria o palco da despedida definitiva de sua vida triste e solitária.
Quando se preparava para saltar do viaduto, buscando de forma ilusória um fim da solidão e da saudade; eis que houve um miado sofrido de um ser verdadeiramente abandonado.
Fingiu o velho não ouvir, e ao tentar insistir com aquele covarde ato de desespero, o miado se fez mais agudo, parecia falar com ele, pedir socorro.
Então contrariado mexeu na lixeira, e lá estava à resposta do Criador, na forma de um gatinho, para a cura da sua dor. 
Em lágrimas e um tanto envergonhado viu que aquele pequeno lutava para viver, tentando escalar a lixeira, e ele um burro velho, como costumava pensar sobre si, pensando em morrer.
Agarrou o pequeno peludo, e fez o caminho de volta para casa, precisava alimentar aquela criaturinha.
Porém estava diferente, carregava além de um sorriso verdadeiro no velho rosto, uma vida a mais para cuidar, uma razão para continuar a viver, uma motivação para acordar todas as manhãs.
E nítida era a felicidade no ônibus de um velho homem que acabara de renascer pelas patas de um filho peludo.”

Autor desconhecido

HÁ MAGIA NA ALEGRIA

Há um mundo de magia
E alegria no ar
Onde tudo é fantasia
Menos o verbo amar!
 
Neste mundo de criança
É vida é como um carrossel
Onde impera a esperança
O gosto de pastel e mel
 
O sonho se tornará real
Deixará de haver ilusão
Sê criança natural
E ama com o coração.
 
Na criança de hoje
Na criança de amanhã
Há magia na alegria
E diversão no coração!

Fernand@maro

ADORO SER AVÓ!

Desde que sou avó
Vivo momentos de magia,
Recordo os aromas da infância,
Vivencio momentos de alegria!
 
Pela sorte sou bafejada
Ao ser avó de duas princesas
Usufruo duma vida encantada
Amo-as com imensas certezas!
 
Sou criança como a minha neta!
A esperança foi renascida,
Com ela tem sido uma festa
E a idade foi esquecida!              
 
Amor d’ avó é açucarado de ternura
É dar felicidade com doçura
É um elo de amor incondicional,
Numa ditosa missão sem igual!

                                                                                                    Fernand@maro

                  




DOURO CENÁRIO DE CONTRASTES


É cenário de contrastes
Este sublime Douro
Com paisagem fascinante
Com rio d’águas d’ouro
De uma fúria inconstante
 
Quadro pelo homem pintado
Douro por deuses traçado
Homem e natureza talharam
Esta extraordinária região
Beleza de cortar a respiração!
 
Nas encostas escarpadas
Trabalhadas com fervor
Nascem pinturas adocicadas,
Brota o suco dos deuses
Fecundado com amor.
 
Deste Douro deslumbrante
Multifacetado na cor
Pinga o verde primaveril
O vermelho estival
E o amarelo outonal
 
Goteja a seiva da vida
Dos obreiros dos socalcos
Que de muito labutar
Com suas mãos calejadas
Acolhem o néctar singular
 
De vinhedos a ondear
Rio vigoroso a bradar
És terra bravia e delicada
Ansiosa por gerar
Gente afável e arrojada!
 
Com curvas e contracurvas    
Corre entre vales e serras
Douro perspicaz, generoso
Resiliente e brioso
Em nutrir distintas terras!
 
Rio Douro
De águas d’ouro!

Fernand@maro

Nuvem de etiquetas