História & Estórias

Archive for the ‘Sabedoria Popular’ Category

O SABER NÃO OCUPA LUGAR

A origem da palavra “molete
No norte molete é um pão pequeno = carcaça; biju; papo-seco
Atribui-se a origem da apelidação de molete à zona de Valongo pois era aí que se fazia o pão que se consumia no Porto. O pão tradicional, a regueifa era demasiado grande para consumo individual.
Acontece que o general francês que comandava o exército inimigo, durante as Invasões Francesas, um homem chamado Mollet, tinha tomado de assalto e estava aquartelado, no (Convento) que é hoje o Colégio da Formiga, em Ermesinde, era grande apreciador desse pão e todos os dias, ao pequeno-almoço, não o dispensava.
Dado ter um exército para alimentar e dada a crise existente e a logística necessária, decidiu que o pão teria que ser mais pequeno em doses individuais, o que foi feito de imediato, por sua ordem.
Na localidade, os padeiros já sabiam que todos os dias o pão (sempre feito durante a noite) tinha que estar pronto à mesma hora e quando colocavam as cestas nas carroças que iam para o Porto dizia-se:
– Lá vai o pão para o Molete!
(Como não sabiam falar francês, era assim que o chamavam.)
A partir daí, os pãezinhos pequenos começaram a chamar-se “moletes” e como se verificou ser a ideia bastante prática, começaram a ser fornecidos às populações até aos nossos dias.
469009

FOLHAS CAÍDAS

053_floresta

“Aprenda com a árvore e deixe cair as folhas secas do passado para que adubem o chão, onde as raízes preparam o futuro. ”

René Trossero

4f951c9da74e4_1rp-gifsbyoriza-poema-oriza-trilhas_gif_pagespeed_ce_vQIza0aXx2

Pensamentos de hoje

“O valor das coisas não está no tempo em que elas duram, mas na intensidade com que acontecem.
Por isso existem momentos inesquecíveis, coisas inexplicáveis e pessoas incomparáveis”.
Fernando Pessoa

“… O tempo é algo que não volta atrás. Por isso plante seu jardim e decore sua alma, ao invés de esperar que alguém lhe traga flores …”
William Shakespeare

“Se ao lado da biblioteca houver um jardim, nada faltará.”
Cícero

APRENDER…

Os ignorantes, que acham que sabem tudo, privam-se de um dos maiores prazeres da vida: Aprender.
Provérbio popular

Devemos aprender durante toda a vida , sem imaginar que a sabedoria vem com a velhice.
Platão

Pensamentos de Hoje

“Aprenda com a árvore e deixe cair as folhas secas do passado para que adubem o chão, onde as raízes preparam o futuro. ”
René Trossero

“As dificuldades fazem com que a mente se fortaleça, como o trabalho faz com o corpo. ”
Sêneca

“Se um dia tiver que escolher entre o mundo e o amor, lembre-se: se escolher o mundo, ficará sem amor, mas se escolher o amor, com ele conquistará o mundo. ”
Atribuído a Albert Einstein

As Minhas Raízes


Numão
Vivi a minha infância e parte da adolescência numa linda aldeia junto ao rio Douro, Numão. O nosso Douro de paisagens multicolores, com pinceladas de verde, de amarelo, de vermelho, de castanho…, o Douro de uma beleza sem fim.
Cresci a correr entre as vinhas e penedos, saltando os valados, os socalcos e as fragas, a chapinhar nas águas límpidas, hoje algo poluídas, desse nosso Douro e da ribeira Teja (afluente do Douro), assim como sujar-me a comer as rubras e suculentas amoras, a subir e a descer às amendoeiras, às figueiras, às laranjeiras… e às monumentais muralhas do nosso antiquíssimo castelo.
Cresci e fiz-me mulher nesta pacata terra alto duriense.
Dela recordo, o branco da neve nos invernos rigorosos e a imensidão das amendoeiras floridas, as multicores das vinhas, a cor rubra e o sabor agro-doce das amoras, assim como os raspanetes que ouvia, da minha mãe, sempre que chegava a casa toda suja e magoada por ter subido às amoreiras. Delas recordo, também as peripécias vividas em liberdade, ora jogando à bola, ao pião ou à bilharda, ora escalando aos fraguedos ou trepando às muralhas do castelo, onde usando de uma imaginação prodigiosa e de acordo com a idade imaginei, juntamente com os amigos, aventuras fantásticas e assombrosas.

Encontrei no Youtube este vídeo, com lindíssimas imagens sobre a minha maravilhosa aldeia, que quero partilhar convosco. Parabéns e um agradecimento muito especial ao seu autor.

O Livro e as Palavras

O Livro
“O livro é como um jardim carregado no bolso.”
Provérbio Árabe
“Tornamo-nos amigos de pessoas que não conhecemos, porque um dia descobrimos um livro delas.”
Eduardo Prado Coelho
“O prazer de ler e de escrever não é um acto solitário, é uma forma de entrar em relação com o outro, de partilhar uma paixão.”
Cláudia Freitas
“Quanto mais silêncio houver num livro, melhor ele é. Porque nos permite escrever o livro melhor, como leitor.”
António Lobo Antunes
“O livro é um organismo que vive independente e surpreende-nos a cada passo. Um livro não se faz com ideias, faz-se com palavras. São as palavras que se geram umas às outras. E com trabalho.”
António Lobo Antunes
“Esta é, afinal, a grande vitória dos livros: mesmo depois de mortos ajudam-nos a compreender a vida.”
Faíza Hayat

A Palavra
“Nunca deveis utilizar uma palavra nova, a não ser que ela tenha estas três qualidades: ser necessária, inteligível e sonora.”
Voltaire
“No mundo há muitas palavras, mas poucos ecos.”
Johann Goethe
“Uma palavra escrita é semelhante a uma pérola.”
Johann Goethe
“Fala se tens palavras mais fortes do que o silêncio, ou então guarda silêncio.”
Eurípedes
“Se soubéssemos quantas e quantas vezes as nossas palavras são mal interpretadas, haveria muito mais silêncio neste mundo.”
Oscar Wilde
“A palavra é como uma flecha que, uma vez lançada, não volta ao arco; assim também as palavras, não voltam ao lábios.”
Provérbio Árabe
“A palavra é tempo, o silêncio é eternidade.”
Maurice Maeterlinck
“A palavra foi dada ao homem para explicar os seus pensamentos. Os pensamentos são retratos das coisas da mesma forma que as palavras são retratos dos nossos pensamentos.”
Jean Molière