História & Estórias

Archive for the ‘Poesia’ Category

TRIBUTO AO EMIGRANTE

TRIBUTO AO EMIGRANTE

Na mala levo a esperança

No novo mundo encontrar

Trabalho, amor e alegria

Para um dia poder voltarp-11

 

Encontro o desalento

No meio da multidão

A dor sufoca o peito

É tão grande a solidão

 

Oh, saudade maldita

Que dói, mastiga e destrói!

Ela aperta o coração

Devora sem compaixão

 

Olho a lua lá no alto

Que sorri com ironia:

És pessoa decidida

Enérgica e destemida

 

Levanta-te e vai à luta

Não te deixes amofinar

Recomeça sê resoluta

E com força labutar

 

Leva o dia em alegria

Agosto está a chegar

Regressarás em euforia

E saudades irás matar!

Fernand@maro

saudade

Anúncios

MÃE

Mãe,

Ah, que saudade imensa

Do teu cheiro a jasmimFeliz Dia da Mãe3

Dos teus braços de abrigo

Do teu colo de jardim!

Que saudade da tua voz

Dos conselhos que não escutei

Dos castigos que protestei!

Mãe,

De ti colhi a vida,

O sorriso e a alegria

A firmeza e a teimosia

Ah,

Como gostava da tua presença

Mas só te tenho na lembrança

No aconchego do coração

E aí tu serás sempre minha mãe!

Feliz dia da MÃE!

CÂNTICO À VIDA

A semente foi lançada

Espreitou, germinou, sorriu

Sorriso nutrido com amor

E docemente brotou uma flor.

 

Foi assim a minha Primavera

É assim a Primavera da vidaestações-da-vida

Onde tudo nasce e cresce

E assim a vida floresce

 

Espreitei, observei e vi

A flor a brotar no meu jardim

Na sua companhia cresci,

Sonhei, partilhei e aprendi

O amor com aroma a jasmim.

 

A flor entregou-se ao sol

E em fruto se transformou!

A natureza entoou

Músicas de alegria,

Melodias em harmonia

No Verão de todos nós!

 

Com a orquestra da natureza

E com cânticos de paixão

O fruto amadureceu

Com sabor adocicado

Temperados no coração

Num pôr-do-sol meu e teu!

 

A natureza cobriu-se de cor

Multicolor arco-íris

A vida despiu-se p´ro amor

Bailando, rodopiando ao vento

Outono do meu contentamento!

 Fernand@maro

quatro-estações

 

 

 

Quando Vier a Primavera

principais-temticas-de-alberto-caeiro-1-728

Quando vier a Primavera,
Se eu já estiver morto,
As flores florirão da mesma maneira
E as árvores não serão menos verdes que na Primavera passada.
A realidade não precisa de mim.

Sinto uma alegria enorme
Ao pensar que a minha morte não tem importância nenhuma

Se soubesse que amanhã morria
E a Primavera era depois de amanhã,
Morreria contente, porque ela era depois de amanhã.
Se esse é o seu tempo, quando havia ela de vir senão no seu tempo?
Gosto que tudo seja real e que tudo esteja certo;
E gosto porque assim seria, mesmo que eu não gostasse.
Por isso, se morrer agora, morro contente,
Porque tudo é real e tudo está certo.

Podem rezar latim sobre o meu caixão, se quiserem.
Se quiserem, podem dançar e cantar à roda dele.
Não tenho preferências para quando já não puder ter preferências.
O que for, quando for, é que será o que é.

 Alberto Caeiro, in “Poemas Inconjuntos”
Heterónimo de Fernando Pessoa

Audição do poema por Pedro Lamaresclica na imagem
principais-temticas-de-alberto-caeiro-2-728

HOJE É DIA DE SER FELIZ!

Só existem dois dias no ano que nada pode ser feito. Um se chama ontem e o outro se chama amanhã, portanto hoje é o dia certo para amar, acreditar, fazer e principalmente viver.

Dalai Lamasem nome

Eu amo tudo o que foi
Tudo o que já não é
A dor que já me não dói
A antiga e errônea fé
O ontem que a dor deixou,
O que deixou alegria
Só porque foi, e voou
E hoje é já outro dia.

Fernando Pessoa

Não seja o de hoje.
Não suspires por ontens….
Não queiras ser o de amanhã.
Faze-te sem limites no tempo.

Cecília Meireles

 

 

ODE À MULHER – HÁ MUITAS E MUITAS MARIAS

Cada mulher tem a sua forma de ser, de agir, de amar, de ser mãe, de ser MULHER

Cada mulher é única!

A todas as mulheres especiais dedico este poema!9

HÁ MUITAS E MUITAS MARIAS

Há muitas e muitas Marias

Muitas e muitas mais

Mulher guerreira,

Princesa herdeira

MARIA MULHER, és demais!

Há muitas e muitas Marias

Maria sofrida

Mulher bonita

Maria esquecida

MULHER exemplo de vida!

Há muitas e muitas Marias

Maria mulher,

Mulher mãe,

Mulher filha

Há muitas e muitas mais!

Artistas, vais inspirar

Mulher Maria, mulher heroína

És um exemplo a abraçar

Maria, tu és divina

MARIA, tu és MULHER!

Há muitas e muitas Marias

Há muitas e muitas mais!

Fernand@maro

Mulher1

NO MEU OLHAR

Está um calor abrasador. O céu está limpo e o sol brilha com enorme intensidade. A serenidade e a quietude da paisagem são quebradas, aqui e acolá pelo murmúrio da água que corre, a poucos metros, e pela orquestra da natureza que nos brinda com serenatas de paixão.

Percorro os poucos metros do estreito trilho que me faltam para atingir o objetivo. Chegar ao rio de águas frescas e cristalinas. Um espelho de água onde se reflete o azul radioso do céu e o verde intenso do arvoredo.

Instalo-me nas margens do rio, debaixo de um verdejante e frondoso salgueiro. Na sombra, o sol continua a queimar. Não tanto, mas continua, pelo que vou refrescar-me no rio. Nado, mergulho, salto e brinco com os peixes. Volto a saltar, nado no ar, brinco e flutuo na água e na luz, até o sol me tocar e me encantar.

Vou espraiar-me ao sol para secar mais depressa. Tenho a visão de uma flecha azul na superfície da água. Observo, com mais atenção e, apercebo-me que o  voo, rasante e direto, é de um guarda-rios, também conhecido por martinho-pescador, passa-rios, pica-peixe, entre outras designações. Reconheço-o pelo azul do dorso e das asas e pelo peito e ventre cor-de-laranja. A colorida, graciosa e ativa ave voa para o topo de um freixo e, ao mesmo tempo que saltita de ramo em ramo, depenica algo que trouxe das águas.

Lá, bem no alto, no céu azul, as nuvens espreguiçam-se e bocejam de mansinho. Sinto-me enternecer. Estou tranquila, leve e serena. Lembro-me, então do poema Alberto Caeiro:

O Meu Olhar Azul como o Céu

“O meu olhar azul como o céu
É calmo como a água ao sol.
É assim, azul e calmo,
Porque não interroga nem se espanta…
Se eu interrogasse e me espantasse
Não nasciam flores novas nos prados
Nem mudaria qualquer cousa no sol de modo a ele ficar mais belo…
(Mesmo se nascessem flores novas no prado
E se o sol mudasse para mais belo,
Eu sentiria menos flores no prado
E achava mais feio o sol…
Porque tudo é como é e assim é que é,
E eu aceito, e nem agradeço,
Para não parecer que penso nisso…)”

Alberto Caeiro, in “O Guardador de Rebanhos – Poema XXIII”

Estou com sono, vou dormir um pouco. Ouço ainda o concerto que o passarinho e os seus amiguinhos, acabados de chegar, me dão. Não consigo dormir. Não consigo parar de pensar no rio como um caminho infinito com os seus tons azulados e esverdeados, que me poderá levar numa viagem mágica, a cenários deslumbrantes e paradisíacos. Lugares com histórias e lendas de encantar envoltos em misticismo, lugares que nos renovam o espírito e nos inspiram a viver a vida com mais intensidade.

Caminho e aprecio a paisagem. A planície está magnífica. Vejo verde, verde e mais verde. Este verde que eu vejo está pincelado com as cores do arco-íris e pintalgado de flores encantadas. O seu aroma é tão divino que igual só por magia. Há árvores e mais árvores. Há uma que é diferente. Parece morta. Passo a mão pelo seu tronco. É grosso, rugoso, escuro e seco.

1455135_381490158653253_270778895_nSorrateiramente começam a surgir animais que também o almejam. Aparecem cágados, sapos, rãs, lontras, coelhos, lebres, borboletas, abelhas… Tudo começa a ficar com tons dourado, amarelo, laranja e vermelho. Cá está ele, o lusco-fusco. É lindo! A árvore parece renascer e dizer obrigado a todos nós por estarmos ali com ela.

Sabes, árvore? Eu invejo-te! Sim, tenho inveja de ti! Muitos homens anseiam ouro, prata, dinheiro, mas não sabem que tu tens algo mais valioso que isso. Exato, tu tens o rio e a paisagem, os aromas e as melodias, o alvorecer e o lusco-fusco e coração para sentir isto tudo

Fernand@maro