História & Estórias

Archive for the ‘Dicas para bem falar e bem escrever’ Category

Mas que coisa!!!…

Esta é uma ficha de trabalho que dou frequentemente aos meus alunos para que possam desenvolver e diversificar as competências a nível vocabular.


Lê atentamente a página do diário do João, que abaixo se transcreve. Nela, o João repete com insistência as palavras “coisa” e “coisas”.

A tua tarefa será reescrever esta página, fazendo as alterações possíveis de forma a evitar tantas repetições.

despertador


“- Mas que coisa!!! Estou atrasado outra vez!!!

Visto-me a correr, e saio sem comer nada, pois a coisa das torradas estava avariada.

A viagem de minha casa até ao escritório continua a mesma coisa: trânsito muito lento, muitas buzinas, parece que toda a gente está atrasada… Mas hoje a coisa esteve pior ainda, pois, com a CP em greve, toda a gente tirou o carro da garagem. Mas greve é coisa que não se discute.

Depois de 45 minutos, cheguei enfim ao escritório!

Entro discretamente, pouso as coisas na secretária, mas logo o chefe aproxima-se e diz:

– João, outra vez a mesma coisa? Não há maneira de chegares a horas! Ao menos se não deixasses amontoar tanta coisa na tua secretária! E não me venhas com coisas outra vez! Daqui para a frente as coisas têm que mudar radicalmente neste escritório. Ou és pontual, ou serás demitido.

Enquanto ouvia o discurso de sempre passaram-me umas coisas pela cabeça, mas resolvi ficar calado e não dizer nada… A coisa, hoje, está complicada para quem anda à procura de emprego!…

Agora chega de escrever nesta coisa. O dia chegou ao fim e, se Deus quiser, amanhã a coisa será diferente.”

Imagem

Dicas para bem falar e bem escrever

1900003_706188942766271_1234957232_n

Origem da Palavra MINISTRO

O texto seguinte foi-me enviado por um amigo, como o achei interessante decidi partilhá-lo!103

“LATIM, Língua maravilhosa!
O vocábulo “maestro” vem do latim “magister” e este, por sua vez, do advérbio “magis” que significa “mais” ou “mais que”.
Na antiga Roma o “magister” era o que estava acima dos restantes, pelos seus conhecimentos e habilitações! “Magister dixit” era a máxima utilizada para não se duvidar da palavra dada, por um professor.
Um “Magister equitum” era um Chefe de cavalaria, e um “Magister Militum” era um Chefe Militar.
Já o vocábulo “ministro” vem do latim “minister” e este, por sua vez, do advérbio “minus” que significa “menos” ou “menos que”.
Na antiga Roma o “minister” era o servente ou o subordinado que apenas tinha habilidades ou era jeitoso.

* COMO SE VÊ, O LATIM EXPLICA A RAZÃO POR QUE QUALQUER UM PODE SER MINISTRO… MAS NÃO Mestre ou Maestro!”

Acordo Ortográfico. O que muda?


Com este material poder-se-ão fazer placares/cartazes e colocar na sala de aula, para ajuda de alunos e professores.

Espero que vos sejam uteis.

A Presidenta ou a Presidente?

A Presidenta ou a Presidente?

Ultimamente tem-se usado e abusado da palavra Presidenta quando alguns se dirigem as mulheres que preenchem as funções de Presidente. Esta situação tem gerado alguma polémica pelo facto de cada vez mais haver, mulheres que desempenham esses cargos, como é o caso de Assunção Esteves que é Presidente da Assembleia da República e de Dilma Rousseff que é a Presidente do Brasil. A jornalista Pilar del Rio, viúva de José Saramago, tem dito que é a Presidenta da Fundação José Saramago. Explica que como antes não havia mulheres presidentes não existia a palavra presidenta.
Existe a palavra: PRESIDENTA?
A palavra presidenta existe em alguns dicionários, e alguns especialistas defendem o seu uso, assim como o de «estudanta», «ajudanta», «parenta». É minha opinião que tais termos devem ser evitados na linguagem mais cuidada. A tendência popular é, de facto, «feminizar» os substantivos provenientes do particípio presente latino que não variava em género: “amans”,”amantis” (amante, que ama); “legens”, “legentis” (lente, que lê); “audiens”, “audientis” (ouvinte, que ouve), o que não torna obrigatório para todos os falantes o uso das formas populares em qualquer contexto ou discurso.
Circula na net o seguinte texto que achei curioso e interessante.
“No português existem os particípios ativos como derivativos verbais. Por exemplo: o particípio ativo do verbo atacar é atacante, de pedir é pedinte, o de cantar é cantante, o de existir é existente, o de mendicar é mendicante… Qual é o particípio ativo do verbo ser? O particípio ativo do verbo ser é ente. Aquele que é: o ente. Aquele que tem entidade.
Assim, quando queremos designar alguém com capacidade para exercer a ação que expressa um verbo, há que se adicionar à raiz verbal os sufixos ante, ente ou inte.
Portanto, a pessoa que preside é PRESIDENTE, e não “presidenta”, independentemente do sexo que tenha. Se diz capela ardente, e não capela “ardenta”; se diz estudante, e não “estudanta”; se diz adolescente, e não “adolescenta”; se diz paciente, e não “pacienta”.
Um bom exemplo de este tipo de erro seria:
“A candidata a presidenta se comporta como uma adolescenta pouco pacienta que imagina ter virado eleganta para tentar ser nomeada representanta. Esperamos vê-la algum dia sorridenta numa capela ardenta, pois esta dirigenta política, dentre tantas outras suas atitudes barbarizentas, não tem o direito de violentar o pobre português, só para ficar contenta”.”
Ou seja, é por isso que “adolescente”, “estudante”, “comerciante” ou “confidente” não têm masculino e feminino, mas apenas uma forma para ambos os géneros.
Em conclusão lingua é viva e dinâmica e ocorrem sempre e naturalmente transformações de acordo com os contextos emergentes, mas eu continuarei a dizer Senhora Presidente.

Nuvem de etiquetas