História & Estórias

Archive for the ‘Conto’ Category

DA MINHA JANELA VEJO A MINHA RUA

Da minha janela vejo a minha rua. Chamo-me Íris e, tal como disse, da minha janela vejo a minha rua.

Sei que o meu nome advém da mitologia grega e significa “mensageira pela palavra” ou “arco-íris”. Íris era uma deusa mensageira dos outros deuses e revelava-se como um arco-íris colorido no céu, personificando a união entre o Céu e a Terra.

 Sem dúvida que o meu nome se adequa muito bem à minha pessoa, pois gosto muito de falar, de trocar ideias, mas mais de que tudo de escutar e de observar.

A minha rua chama-se a Rua dos Sorrisos e aqui toda a gente sorri. Muitas meninas da minha idade, quando acordam, vão ver televisão mas eu não, eu vou para a minha janela. Olho através da vidraça a apreciar todo o alvoroço que ocorre na minha rua.

            Acordo por volta das 8h com um meigo sorriso na boca. Vou para a casa de banho faço a minha higiene, lavo a minha suave cara, penteio os meus curtos cabelos e escovo os meus brancos dentes e vou para a janela.

Lá fora ainda não há grande algazarra. Sabem, a minha rua à tarde parece um circo, mas de manhã é uma rua normal. Tudo está calmo! Não se ouvem nem risos, nem carros, nem pessoas. Estão todos a dormir. De repente, a rua começa a acordar. Os candeeiros, que passaram toda a noite acordados, começam a “ desligar as luzes”, o relógio na torre da igreja começa a acordar toda a gente cantando e agradecendo a beleza da manhã.

As pessoas começam a surgir. Primeiro é a padeira que deixa o pão branco e fofo, que eu tanto gosto, em sacos pendurados nos ferrolhos das portas. Sempre que passa pela minha janela pergunta se eu não devia estar na escola mas eu, todos os dias respondo a mesma coisa:

– Senhora padeira, não há escola, estou de férias!

 Ela é muito esquecida! Mas não o devia ser… É baixinha e tem uma grande cabeça. Tem uma cara rosada e uns lindos olhos negros, mas o que mete graça é a “regueifa” a que ela chama nariz! E não é das pequenas!

Depois vem o carteiro. Ele é alto, magro e esverdeado. Mas eu gosto dele, pois traz a carta da reforma da minha avó! Pressinto que está a chegar pelo ladrar da minha cadela. Laica, é a minha cadela de raça Cocker Spaniel. Ela odeia a mota do Sr. Carteiro. Será que o barulho que ela faz perturba os seus sensíveis tímpanos? Eu sei que a audição dos cães é extremamente desenvolvida. Eles são capazes, de localizar com exatidão a direção da origem do som. Conseguem ouvir o mesmo som a uma distância quatro vezes maior do que um humano é capaz de ouvir.

De seguida chega a minha avó. Os meus pais saem muito cedo e eu fico sozinha. Mas eu não tenho medo, a Laica protege-me!

A minha avó chama-se Judite, mas eu trato-a por vovó Juju! Tomo o pequeno-almoço, vou ver um pouco de televisão e ajudo a minha avó a fazer o almoço. Hoje o almoço foi um regalo para os meus berlindes castanhos ou seja, para os meus olhos que são pequenos e brilhantes. Comi esparguete com almôndegas.

Depois voltei para a janela. Vi as meninas mais velhas que vão passear até ao parque que há junto ao rio, onde, por vezes, eu vou com a avó Juju no final da tarde. Elas dão-me um sorriso e eu retribuo-o com outro.

Depois vem o senhor Patolas. O nome assenta-lhe que nem uma luva. Tem uns pés de pato! Ele está a passear o Rio, aquele cachorrinho de olhos profundos e cabeça grande. Rio é um cão de raça Chow Chow, que a combina da nobreza de um leão, com a fofura de um panda e o encanto de um urso. Tem, ainda, a graça e a independência de um gato e a lealdade e devoção de um cão. 

Finalmente, chega a hora de ponta. A rua parece um circo de pessoas de raças diferentes! Ora passam, muito apressadas, as senhoras da convenção Maria, onde todas elas se chamam Maria, com os seus longos vestidos estilo séc. XIX, ora passa o presidente Amável, que é todo amabilidades, a dar beijinhos e abraços a toda a gente para ver se ganha as eleições.

Passam pessoas para o trabalho, passam pessoas para o autocarro, passam pessoas para o comboio, passam pessoas para passear e passam pessoas para os cafés. Passam pessoas para todo o lado, mas só eu, uma menina de 7 anos, com pouco de altura e muito de reguila, posso apreciar a beleza, não da pressa, mas sim das pessoas que todos os dias passam sem apreciarem a mais bela rua do mundo, que eu tenho a sorte de a admirar da minha janela – a Rua dos Sorrisos.

Fernand@maro

Anúncios

Conto de Natal – Um Natal Inesperado

Há cerca de doze anos pediram-me para escrever um conto de Natal, para o jornal da escola, onde trabalhava. Como alto duriense que sou, mergulhei nas minhas memórias e desenhei e pintei através das palavras os natais da minha infância.
Conto de Natal
Um Natal Inesperado

Era uma tarde fria e escura de Dezembro, véspera de Natal. O céu estava coalhado de nuvens-coelho, nuvens-javali e nuvens-pássaro, como de animais as matas transmontanas. Os montes, as árvores, os caminhos e os telhados das casas estavam cobertos de neve.
Chico, um rapaz de dez anos, deslizava cuidadosamente sobre o caminho macio, com receio de pisar e amachucar aquele imenso algodão branco que cobria toda a paisagem. O frio intenso cortava-lhe a pele como se de uma navalha se tratasse. Vestia uma grossa e usada camisola, um casacão largo e gasto e umas calças de cotim já muito coçadas. Cobria a cabeça com um carapuço de lã, que mais parecia um crivo, assim como esburacadas estavam as luvas.
– Uf, Russo! Estou gelado! – lamentou-se o Chico a tiritar de frio.
Russo, era o seu inseparável companheiro de viagens e aventuras. Russo, era um pequeno e velho burro cinzento, de orelhitas arrebitadas, focinho preto e olhos brilhantes e meigos. O burrito era o único amigo do rapaz e era com ele que o Chico desabafava as desventuras da sua curta e longa vida, assim como era com o Russo que festejava as alegrias e venturas do seu dia a dia.
Os dois amigos caminhavam em direcção a uma pequena aldeia do interior. Entraram naquela que parecia ser a rua principal e rapidamente se viram no adro da igreja. As ruas estavam desertas. No centro do adro havia um enorme cepo de sobreiro. Chico ao vê-lo comentou:
-Que bom p’ro lume! Que calorzinho dava se estivesse a arder!
Enquanto assim falava o menino ouviu vozes. Virou-se, e viu um grupo de rapazes a aproximarem-se, trazendo molhos de vides e de giesta. Chegaram junto do cepo, pousaram a lenha e acenderam o fogo. Imediatamente os feixes começaram a arder e a pouco e pouco o tronco de sobreiro começou a queimar-se, dando pequenos estalidos, como gargalhadas de alegria, parecendo saber de antemão o conforto e calor que iria transmitir.
Chico prendeu o Russo a uma árvore e aproximou-se da fogueira, para se aquecer e esquecer o frio cortante que lhe trespassava a pele. Começou, então, a sentir-se melhor.
Um menino mais ou menos da sua idade dirigiu-se e perguntou-lhe:
– Tu d’onde és ? Como te chamas?
– Chamo-me Chico. Estou de passagem e ando com o meu burro Russo.
– Andas sozinho com o burro? Os teus pais deixam-te? Tens mais sorte do que eu, porque os meus pais querem saber tudo o que faço! – comentou o rapaz.
– Eu não tenho pais. A minha mãe morreu o ano passado de tuberculose e já não tinha pai. – lamentou-se o Chico.
– Tenho pena de ti! Afinal, eu sempre tenho mais sorte do que tu. Então, não andas na escola?
– Não. Andei na escola até à 3-ª classe. Depois a minha mãe morreu e não voltei.
– Quem te dá de comer e quem te veste?
– Vivo com aquilo que as pessoas me dão e trabalho à jeira, quando arranjo trabalho. Porque têm este cepo a arder, aqui? – perguntou o Chico.
– É um costume da nossa terra, de há muito tempo. Um grupo de rapazes solteiros procura um grande tronco de uma árvore, trá-lo para o adro da igreja. O cepo tem que estar a arder desde a véspera de Natal até ao dia de Reis. Durante o Natal é aqui que nos encontramos. Depois da Missa do Galo toda a gente se vem aqui aquecer. Nos dias de hoje o cepo é trazido num camião ou num tractor, mas antes era carregado em carros de bois. Ah, já é tarde! Tenho que ir para casa. Chamo-me Tónio. Adeus! – disse o Tónio, em tom de despedida.
Chico olhou à volta e verificou que o adro estava outra vez deserto. Sentou-se no chão e ali ficou, até que anoiteceu completamente. As nuvens tinham desaparecido e o céu estava limpo, salpicado de estrelas, como lamparinas e pirilampos de um imenso presépio. Levantou-se, foi ter com o Russo, fez-lhe meiguices no focinho e nas orelhas e segredou-lhe:
– Tenho tanta fome! Que bem me sabia, agora, uma rabanada ou uma filhós!
O burrinho olhou-o com ternura, transmitindo-lhe através daquele olhar um certo conforto e apoio. Ouviram passos. Era o Tónio que lhe perguntou:
– Com quem vais passar o Natal e consoar?
– Natal?! Consoada?!… – E disse ao Tónio que iria passar o Natal com o Russo e que não tinha nada para comer, quanto mais para consoar!
O Tónio disse-lhe que tinha falado com os pais e estes convidavam-no para sua casa. Levaram o burro para uma quentinha corte, onde estavam um cavalo e uma vaquinha. Deitaram-lhe na manjedoura uma ração reforçada, de palha e cevada, para que ele pudesse, também, comemorar o nascimento de Jesus. E os dois amigos foram para casa.
Chico sentou-se à mesa com o Tónio e os pais deste, e comeu bacalhau, polvo, rabanadas, filhós e uma infinidade de coisas boas. Ainda estavam à mesa quando ouviram cantar:
“ Ainda agora aqui cheguei
Pus o pé nesta entrada
Logo o meu coração disse
Que aqui mora gente honrada.”
… … …
– Quem está a cantar? – perguntou o Chico.
– Devem ser o Ti Jaquim e a Ti Maria, mais algumas pessoas a cantarem as “natais”, um costume da nossa terra – respondeu a mãe do Tónio.
– As “natais”!? Nunca ouvi falar!
– Como se cantam na véspera de Ano Novo as “janeiras”, aqui, na véspera de Natal também se cantam as “natais” – explicou a senhora da casa – Vou convidá-los a entrarem.
O grupo de cantadores, formados por jovens e pessoas idosas, entraram, conversaram, petiscaram e convidaram o Chico e o Tónio a juntarem-se-lhes e irem com eles cantar as “natais” a outras casas da aldeia. Estes aceitaram e divertiram-se muito. Quando regressaram a casa tinham algumas prendas à espera, pois o Menino Jesus tinha passado por lá e não se tinha esquecido do Chico. É importante dizer que, naquela terra não era o Pai Natal que trazia as prendas, mas o Menino Jesus.
O Chico recordou sempre aquele surpreendente e inesperado Natal. Ficou a viver em casa do Tónio, passou a ir à escola e ajudava os seus novos amigos nas lidas do campo.

                                                                                                         Fernanda Amaro

Nuvem de etiquetas