História & Estórias

A Presidenta ou a Presidente?

Ultimamente tem-se usado e abusado da palavra Presidenta quando alguns se dirigem as mulheres que preenchem as funções de Presidente. Esta situação tem gerado alguma polémica pelo facto de cada vez mais haver, mulheres que desempenham esses cargos, como é o caso de Assunção Esteves que é Presidente da Assembleia da República e de Dilma Rousseff que é a Presidente do Brasil. A jornalista Pilar del Rio, viúva de José Saramago, tem dito que é a Presidenta da Fundação José Saramago. Explica que como antes não havia mulheres presidentes não existia a palavra presidenta.
Existe a palavra: PRESIDENTA?
A palavra presidenta existe em alguns dicionários, e alguns especialistas defendem o seu uso, assim como o de «estudanta», «ajudanta», «parenta». É minha opinião que tais termos devem ser evitados na linguagem mais cuidada. A tendência popular é, de facto, «feminizar» os substantivos provenientes do particípio presente latino que não variava em género: “amans”,”amantis” (amante, que ama); “legens”, “legentis” (lente, que lê); “audiens”, “audientis” (ouvinte, que ouve), o que não torna obrigatório para todos os falantes o uso das formas populares em qualquer contexto ou discurso.
Circula na net o seguinte texto que achei curioso e interessante.
“No português existem os particípios ativos como derivativos verbais. Por exemplo: o particípio ativo do verbo atacar é atacante, de pedir é pedinte, o de cantar é cantante, o de existir é existente, o de mendicar é mendicante… Qual é o particípio ativo do verbo ser? O particípio ativo do verbo ser é ente. Aquele que é: o ente. Aquele que tem entidade.
Assim, quando queremos designar alguém com capacidade para exercer a ação que expressa um verbo, há que se adicionar à raiz verbal os sufixos ante, ente ou inte.
Portanto, a pessoa que preside é PRESIDENTE, e não “presidenta”, independentemente do sexo que tenha. Se diz capela ardente, e não capela “ardenta”; se diz estudante, e não “estudanta”; se diz adolescente, e não “adolescenta”; se diz paciente, e não “pacienta”.
Um bom exemplo de este tipo de erro seria:
“A candidata a presidenta se comporta como uma adolescenta pouco pacienta que imagina ter virado eleganta para tentar ser nomeada representanta. Esperamos vê-la algum dia sorridenta numa capela ardenta, pois esta dirigenta política, dentre tantas outras suas atitudes barbarizentas, não tem o direito de violentar o pobre português, só para ficar contenta”.”
Ou seja, é por isso que “adolescente”, “estudante”, “comerciante” ou “confidente” não têm masculino e feminino, mas apenas uma forma para ambos os géneros.
Em conclusão lingua é viva e dinâmica e ocorrem sempre e naturalmente transformações de acordo com os contextos emergentes, mas eu continuarei a dizer Senhora Presidente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: