História & Estórias

janelaDa minha janela eu vejo o manto estrelado da noite a aconchegar a minha rua. Sinto um cheiro no ar, com aromas de tília, de lavanda, de rosmaninho e de eucalipto.
Da minha janela eu vejo o luar a banhar de prata todo o horizonte e a reflectir-se, como se um espelho fosse, nas águas do Leça, que se espraia, lá ao longe, numa preguiça sazonal sem pressa de chegar ao mar.
Da minha janela eu vejo a minha rua calma e silenciosa. As pessoas recolheram-se ao aconchego do lar. Nada se ouve! O silêncio espalha-se por todo o lado, só quebrado, de quando em quando, por tímidos miaus e o pelo alegre ladrar dos cães a cumprimentarem quem passa.
Mas minha rua não é sempre assim. Quando acorda e os candeeiros adormecem, o relógio da igreja desperta parecendo dizer a quem passa “Como linda está a manhã!” Então as pessoas começam a surgir e a rua enche-se de alegria, risos e animação.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: